Suspensão e cancelamento de plano de saúde do governo afetam até 40 mil pessoas, diz Fórum de Servidores

A crise financeira do Sistema de Assistência à Saúde dos Servidores do Estado de Pernambuco (Sassepe) afeta trabalhadores de vários setores e seus dependentes. O Fórum dos Servidores do Estado denunciou, nesta sexta (31), que entre 30 e 40 mil pessoas foram prejudicadas com a suspensão e cancelamento do plano.

Segundo o fórum, o descredenciamento de laboratórios e empresas médicas que fazem exames, análises, consultas e cirurgias “transformou-se num pesadelo para milhares de beneficiários”.

O Sassepe tem mais de 180 mil beneficiários. Cerca de 70% de contribuição parte dos servidores beneficiados, descontado em folha de pagamento. Os 30% restantes ficam com o financiamento do governo.

A denúncia foi feita durante uma entrevista coletiva concedida na sede da Central Única dos Trabalhadores (CUT), na Boa Vista, na área central do Recife.

Em nota, o governo de Pernambuco declarou que “está empenhado na reestruturação administrativa e financeira do Sistema de Assistência à Saúde dos Servidores do Estado de Pernambuco (Sassepe), gerido pelo Instituto de Recursos Humanos (IRH)” (confira mais abaixo o que o estado também disse).

No evento, o fórum informou que protocolou um pedido de reunião de urgência com a govenadora Raquel Lyra (PSDB) para tratar da crise do Sassepe.

A entidade conta com a participação de dez sindicatos e associações de servidores. Na campanha eleitoral de 2022, a então candidata de oposição ao governo do PSB prometeu transparência e eficiência no plano de saúde dos servidores.

Dívida
O presidente da CUT, Paulo Rocha, afirmou que o Sassepe tem uma “dívida imensa”. “O governo já apresentou vários valores dessa dívida com a rede credenciada. A gente não sabe de quanto ela é realmente. Já falaram em até R$ 350 milhões. O fato é que várias empresas suspenderam os serviços por falta de pagamento”, declarou.

Rocha afirmou, ainda, que a audiência com a governadora foi solicitada para tentar entender como a crise poderá ser sanada.

“O governo editou um decreto e criou um grupo de trabalho para tratar do Sassepe. Estamos de fora desse grupo. Ele precisa ser claro. Tem que ter plano para médio e longo prazos. A curto prazo, precisamos ter soluções para os servidores”, disse.

Documento
No documento protocolado no Palácio do Campo das Princesas, sede do governo estadual, o fórum aponta que o Hospital dos Servidores do Estado, no Recife, “sofre com um grande desabastecimento, que tem obrigado a muitos pacientes internados comprarem sua medicação, mesmo as básicas”.

No pedido de audiência, o fórum também disse que a “suspensão de atendimento de várias empresas conveniadas tem deixado milhares de usuários sem serviços essenciais”.

A entidade afirmou que deixaram de ser feitos consultas, exames dos mais simples aos mais complexos, cirurgias e tratamentos, a exemplo dos oncológicos. Por isso, acrescentou o fórum, “mais 20 pacientes aguardam a primeira sessão de quimioterapia”.

Além disso, o os servidores apontam que a crise “ocasionou óbito e tem deixado muitos usuários em filas de cirurgias e UTIs”.

O que diz o governo

Em nota, o governo de Pernambuco também disse que:

“a atual administração assumiu o Sassepe com uma dívida de R$ 296 milhões, deixada pela gestão anterior, dos quais já foram pagos R$ 90 milhões nesses três primeiros meses”;

“o Sistema de Assistência não parou e não irá parar enquanto se buscam as soluções estruturantes”, citando, como exemplo, a retomada dos atendimentos para beneficiários do Sassepe, no Hospital Santa Efigênia, em Caruaru, no Agreste, ocorrida na quarta-feira (29);

“o IRH realiza mensalmente reuniões com o Sindhospe [Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde, Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas de Pernambuco] e está sempre aberto para as demais credenciadas”;

“a transparência, o diálogo e a construção em conjunto com os servidores [são] premissas de atuação da nova administração”;

“na próxima semana, deverá acontecer a primeira reunião do Grupo de Trabalho instituído pela governadora Raquel Lyra a partir do Decreto nº 54.498, de 17 de março de 2023”.

Ainda no texto, o governo do estado disse que esse Grupo de Trabalho vai ser coordenado pela Secretaria de Administração (SAD) e formado por representantes da SAD, do IRH e das seguintes instituições:

Secretaria da Fazenda;
Secretaria de Planejamento, Gestão e Desenvolvimento Regional;
Secretaria da Casa Civil;
Secretaria da Controladoria-Geral do Estado;
Procuradoria Geral do Estado;
Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe);
Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde e Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas do Estado de Pernambuco (Sindhospe);
Associação Civil de Assistência à Saúde de Pernambuco (Assepe);
Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco (Alepe).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui